Latest Entries »


APRENDENDO A OUVIR A VOZ DE DEUS

Nosso Deus fala conosco através do Seu Espírito.
Ele é Soberano sobre a vida do ser humano!
Que Deixemos Ele falar conosco!

Anúncios

PASTORA MÉRCES


PASTORA MÉRCES.


SKANDALIZO – TEMPO DE MATURIDADE.


A beleza da vida – Presente de Deus!.


Os que esperam no Senhor renovam suas forças.


MINISTÉRIO SAÚDE INTEGRAL Pastora Mérces: CASAMENTO E FAMÍLIA.

AMOR PARA SEMPRE


VIVENDO O AMOR

Image


Efésios 5.22-24
“Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que é o seu corpo, do qual ele é o Salvador. Assim como a igreja está sujeita a Cristo, também as mulheres estejam em tudo sujeitas a seus maridos.”

QUAL É O SIGNIFICADO DA SUBMISSÃO DA MULHER AO MARIDO?

A submissão feminina, biblicamente entendida, tem o mesmo peso que o amor masculino. Devem as esposas se submeter a seus maridos? Sim. Mas os maridos devem amar as suas esposas. Amar é a forma masculina da submissão feminina.
A submissão feminina e o amor masculino deve ser no Senhor, o que quer dizer que a submissão e o amor são dedicados primeiramente ao Senhor. Ambos são para honrar ao Senhor. Não são os maridos os primeiros destinatários da submissão e as mulheres os primeiros destinatários do amor, mas o Senhor; maridos e mulheres são destinatários em segundo plano. É por isto que o casamento é mais que um contrato entre duas pessoas; na verdade, é um espelho entre Cristo e a igreja. Ele reflete Cristo e ela reflete a Igreja.
Espiritualmente, o ideal da submissão feminina e do amor masculino, no casamento, se aplica à questão da liderança masculina. Paulo afirma que “o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que é o seu corpo, do qual ele é o Salvador”


O HOMEM SÓ É SALVO PELA FÉ

Efésios (capítulo 2)

VIDA ETERNA!

E NÃO POR OBRAS DA LEI DE DEUS
Paulo disse em Romanos 3:31: “Anulamos, pois, a lei, pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei”. Portanto, quando somos salvos pela fé em Jesus, não anulamos a lei. Uma vez que, pela fé, satisfazemos a exigência da lei em nós, a lei nada tem a dizer.
Nunca pense que deveríamos adicionar a obra da lei à nossa fé. Para nós, crer é como pagar nossa dívida diante de Deus. Se existir a palavra da fé, então não pode haver a lei. Se existir a lei, não pode haver a palavra da fé. Ninguém pode ter a fé e guardar a lei ao mesmo tempo, pois fazer isso seria desprezar o Senhor Jesus. Isso significaria que a pessoa não consegue ver sua completa fraqueza e imundícia.
Por favor, leia novamente Gálatas 2:16, 17: “Sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois por obras da lei, ninguém será justificado. Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, dar-se-á o caso de ser Cristo ministro do pecado? Certo que não”.
O livro de Gálatas nos mostra que alguns na Galácia contendiam sobre não ser suficiente o homem ser justificado pela fé no Senhor Jesus; diziam que ele ainda devia guardar a lei. Eles não estavam dizendo que o homem não deveria crer. Eles certamente reconheciam que um homem é justificado em Cristo. Mas estavam dizendo que ele ainda precisava guardar a lei depois de crer. Paulo, então, falou em Romanos uma palavra muito dura. Ele disse que se, enquanto procuramos ser justificados em Cristo formos achados em pecado, isso significará que após termos crido no Senhor Jesus ainda não fomos justificados, ainda somos pecadores, e ainda devemos guardar a lei para ser salvos. Por exemplo, suponha que eu esteja doente e passe dez dias sob os cuidados de um médico. Depois disso, porque a doença ainda permanece, tenho de consultar outro médico.
Se busco ser justificado em Cristo e ao mesmo tempo tento guardar a lei, significa que ainda sou um pecador e que ainda não fui salvo. Se já não sou pecador, então nunca mais deveria guardar a lei. Se ainda sou pecador, Cristo é ministro do pecado? Paulo perguntava: Se ele não era justificado depois de ter crido no Senhor Jesus, aquilo significava que Cristo era um ministro do pecado? A resposta é: “De modo nenhum!”
No Novo Testamento, Paulo disse “De modo nenhum” muitas vezes. No grego, essa é uma expressão peculiar. É traduzida na versão King James como “Deus não permita”. É equivalente à expressão “os céus não permitam”, uma palavra muito forte. Isso significa que até mesmo os céus rejeitariam isso. Não há razão debaixo do sol para que isso sucedesse.
Portanto, está claro que o homem não pode ter fé em Jesus e ao mesmo tempo guardar a lei. Em Romanos 3, Paulo fez outra afirmação clara, no versículo 28: “Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei”. Essa é uma afirmação conclusiva, uma questão de fé. Nada tem a ver com a lei, absolutamente. Graças ao
Senhor! Jesus é suficiente. Para a Bíblia, dar atenção à fé é dar atenção à graça de Deus. Isso nos mostra que tudo vem pelo receber. Alguns gostam de exaltar os homens em sua pregação do evangelho. Mas se conhecemos a Bíblia, veremos que fora de Deus o homem é totalmente desamparado. Lembre-se destas duas sentenças: o homem não é salvo pela lei, tampouco é salvo pela fé com a lei. Este é o primeiro e mais comum engano do homem. O homem misturou a fé com a lei. O homem só é salvo pela fé.


[videolog 456738]